RINITE ALÉRGICA

O QUE É RINITE

O termo rinite significa inflamação do nariz. A forma mais comum é a rinite alérgica, que acomete cerca de ⅓ da população mundial; sendo causada pela interação de fatores genéticos e exposição a fatores ambientais devido ao contato com alérgenos (substâncias que provocam uma resposta alérgica). Também podem ocorrer a rinite infecciosa, viral ou bacteriana, assim como a rinite gustativa e a rinite do idoso.

A principal causa da rinite alérgica é a hipersensibilidade aos ácaros da poeira de casa, mas ela também pode ocorrer devido a fungos (mofo), pelos de animais, pólen, dentre outros. Apesar da rinite alérgica não oferecer risco de vida, ela reduz significativamente a qualidade de vida da paciente e prejudica o seu rendimento profissional e escolar.

A rinite infecciosa é mais comum em crianças, principalmente em idade pré-escolar, e requer tratamento sintomático e lavagem nasal vigorosa. A rinite gustativa pode acontecer no momento da refeição, principalmente com alimentos muito condimentados como pimenta, e geralmente o paciente apresenta coriza cristalina ao se alimentar. Já a rinite do idoso é multifatorial, podendo ocorrer devido ao ressecamento das mucosas decorrente da idade, assim como efeito adversos de alguns medicamentos.

SINTOMAS DE RINITE

Os principais sintomas e sinais da rinite alérgica são:

  • espirros em salva
  • coriza (nariz escorrendo)
  • coceira nos ouvidos, nariz e garganta
  • olhos lacrimejantes ou com ardência (conjuntivite alérgica)
  • sensação de cócegas ou algo grudado na garganta, causado pelo gotejamento pós-nasal da secreção
  • nariz entupido (obstrução nasal)
  • perda do olfato
  • dor de cabeça e ouvido
  • olhos vermelhos e/ou inchados
  • sonolência e cansaço devido às noites mal dormidas

Dentre as complicações da rinite, destacam-se: sinusite aguda ou crônica, otite média, perturbação do sono e prejuízo das atividades laborais, anormalidades da cavidade bucal devido a respiração excessiva pela boca, ocasionando palato em ogiva e estreitamento maxilar.

A criança vai mal na escola, tem dificuldade de concentração e aprendizado; e o adulto sofre com o baixo rendimento no trabalho. Assim, aquela doença que nem era uma doença, era só um nariz entupido, causa grandes impactos na vida do paciente.

Outra grave doença que pode resultar da rinite é a asma. Essas são duas doenças bastante interligadas, seguem alguns fatos:

  • Cerca de 80% dos pacientes com asma apresenta rinite
  • Cerca de 30% dos pacientes com rinite apresenta asma
  • Muitos pacientes com rinite alérgica apresentam aumento da hiperreatividade brônquica, o que pode resultar na asma induzida pelo exercício e na sibilância durante infecções virais por exemplo

Confira no vídeo a nossa especialista, Dra. Lara Vidal, no programa "Sem Censura", falando sobre rinite:

DIAGNÓSTICO DE RINITE

O médico alergista vai classificar a rinite alérgica de acordo com a gravidade e a frequência dos sintomas em: intermitente ou persistente; leve, moderada ou grave.  Os testes utilizados no diagnóstico da rinite alérgica incluem os seguintes:​

  • Testes cutâneos de alergia (Prick Test): exame simples de fácil execução, feito no próprio consultório do médico alergista. Consiste na aplicação de gotas de extratos alergênicos no braço do paciente, seguida de uma pressão exercida sobre a pele para que o extrato entre em contato com a epiderme. A leitura é feita pelo médico após cerca de 15 a 20 minutos. Para a realização desse teste, é necessário que o
prick test.jpg

paciente fique sem tomar medicamentos anti-alérgicos por 5 a 7 dias antes. É o melhor exame para o diagnóstico das doenças alérgicas respiratórias.​

  • Exames de Sangue (RAST ou IgE específica): é feito como qualquer outro exame de sangue
  • ​Em alguns casos, faz-se necessário realizar exames de imagem, como tomografia computadorizada dos seios da face; radiografia de cavum para avaliação de adenóides; assim como prova de função respiratória.

TRATAMENTO DE RINITE

O tratamento da rinite alérgica consiste em:

  • Anti-alérgicos orais: são bastante úteis no início do tratamento e durante as crises.
  • Corticoesteróides nasais: agem como anti inflamatórios da mucosa nasal, reduzindo sintomas como a obstrução,coriza e prurido. Devem ter o seu uso orientado pelo médico alergista e podem ser contra-indicados principalmente em pacientes portadores de glaucoma.
  • Corticoesteróides orais: podem ser necessários durante as crises mais intensas e só devem ser utilizados sob orientação médica.
  • Inibidores de leucotrienos (montelucaste)
  • Descongestionantes nasais: devem ser evitados devido ao risco de rinite de rebote e dependência farmacológica. Quando utilizado, deve ser pelo menor tempo possível.
  • Descongestionantes orais: podem ser úteis nos casos agudos demobstrução nasal intensa. Pacientes hipertensos e coronariopatas devem utilizar com ressalvas e sempre sob prescrição médica.
  • Sprays nasais de soro fisiológico: são auxiliares no tratamento, mas ajudam na remoção de impurezas da cavidade nasal e contribuem para o bom funcionamento da função dos cílios nasais.
  • Além destes, podem ser indicados colírios anti-alérgicos nos casos de conjuntivite associada, assim como medicamentos para o pulmão nos casos em que também houver acometimento deste órgão. Antibióticos serão necessários nas crises agudas de sinusite, faringite ou amigdalite.
  • Vacinas para alergia (imunoterapia): este é o principal tratamento de qualquer doença alérgica respiratória, sendo muito eficaz na rinite alérgica. Consiste na aplicação de vacinas dessensibilizantes, que induzem no paciente um estado de tolerância aos seus alérgenos que antes desencadeavam as crises. Atualmente as formas de imunoterapia mais recomendadas são a injetável (subcutânea) e a oral (sublingual), com duração de 3 a 5 anos de acordo com a Organização Mundial de Alergia. É um tratamento bastante seguro e bem tolerado, que deve ser acompanhado pelo seu médico alergista periodicamente. É importante ressaltar que o tratamento da rinite alérgica diminui a possibilidade do desenvolvimento de doenças associadas, principalmente a asma.

VACINAS DE ALERGIA

Saiba mais sobre o tratamento

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Confira mais informações

EQUIPE ALERGOLIFE

Conheça nossos alergistas e imunologistas